Descalvado, 10 de Dezembro de 2018 Busca:   
Brasil e Mundo

Cade propõe multa de R$ 3,1 bilhões por cartel no setor de cimento

23/01/2014

Empresas e entidades são acusadas de combinar preços e dividir mercados.
Investigação começou em 2006; empresas e associações negam esquema.




O conselheiro Alessandro Octaviani, relator, no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), do processo que investiga a formação de cartel no mercado brasileiro de cimento e concreto, propôs nesta quarta-feira (22) a aplicação de multas que somam R$ 3,144 bilhões contra empresas, associações e executivos do setor. Se confirmada, será a maior multa para um processo de cartel no país.

O julgamento do caso começou na manhã desta quarta, com a leitura do relatório de Octaviani. Por volta das 22h, porém, ele foi interrompido por um pedido de vistas do conselheiro Márcio de Oliveira Junior, que alegou a necessidade de mais tempo para analisar o processo. Não há prazo para que o julgamento seja retomado.

No relatório, Octaviani propõe que o Tribunal do Cade condene pelo crime de formação de cartel as empresas Votorantim Cimentos S.A., maior produtora de cimento do país; Holcim do Brasil S.A.; Intercement (antiga Camargo Corrêa Cimentos S.A.); Cimpor Cimentos do Brasil Ltda; Itabira Agro Industrial S.A; e Companhia de Cimento Itambé.

As multas propostas pelo relator às seis empresas somam R$ 3,113 bilhões. Além disso, o relatório também propõe que as empresas, com exceção da Itambé, sejam condenadas a se desfazer de parte dos ativos no setor. Neste quesito, a maior punição seria contra a Votorantim: venda de 35% de sua capacidade instalada, que deve ir para um único comprador – com isso, o Cade espera ver surgir no país uma nova grande empresa para concorrer nos mercados de cimento e concreto.

Octaviani também propõe a condenação da Associação Brasileira de Cimento Portland (Abcp), da Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Concretagem (Abesc) e do Sindicato Nacional da Indústria de Cimento (Snic) ao pagamento de multas que somam R$ 5,3 milhões. Além, disso, pede a condenação de 6 executivos e funcionários das empresas e associações ao pagamento de multas no total de R$ 26 milhões.

Apesar do pedido de vista que adiou a conclusão do julgamento, os outros 3 conselheiros que participam dele decidiram adiantar seus votos, que foram favoráveis à punição proposta pelo relator contra as empresas. No total, cinco conselheiros votam nesse processo. Contando com o relator, já são quatro votos favoráveis à punição. Porém, os conselheiros podem mudar seus votos até a retomada do julgamento.

As empresas, associações e executivos citados negam participação em esquema de cartel.

Descrição do cartel
Cartel é um acordo entre empresas concorrentes para, por exemplo, fixar preços ou dividir o mercado em que atuam. Essa ação leva à restrição da concorrência e ao aumento de preços de produtos.

Segundo Octaviani, neste caso o conluio envolvia a fixação e controle de preços do cimento e do concreto vendido no Brasil; a divisão regional do mercado e de clientes entre as empresas participantes; além de medidas para impedir a entrada de novos concorrentes e prejudicar aqueles que não estavam alinhados ao esquema.

Em seu relatório, Octaviani também afirma que as entidades (Abcp, Abesc e Snic) atuavam facilitando a organização do esquema, funcionando como fórum de troca, entre as empresas, de informações concorrencialmente sensíveis que permitiam o monitoramento do cumprimento dos acordos. Agiam ainda para impedir a entrada de novas empresas no mercado.

Prejuízo de R$ 1,4 bi ao ano
De acordo com o Cade, estudos internacionais apontam que a prática de cartel provoca alta, entre 10% e 20%, nos preços dos produtos, em relação a mercados em que há competição. Para Octaviani, porém, os dados levam a crer que a alta de 20% no mercado brasileiro de cimento é “provavelmente subestimada.”

Cálculos apresentados pelo relator apontam que o cartel de cimento provocou à economia brasileira prejuízo médio estimado em R$ 1,4 bilhão ao ano (R$ 28 bilhões em 20 anos). Segundo ele, documentos evidenciam que o esquema ilegal funcionava pelo menos desde 1987.

Octaviani classificou o conluio no setor de cimento de “uma afronta aos ditames da Constituição” que “subjugou a economia brasileira por décadas” e provocou “danos sociais, econômicos, às famílias e ao acesso à infraestrutura” no país.

De acordo com ele, o cimento representa cerca de 8% do custo de uma obra. A estimativa de Octaviani é que, apenas no programa habitacional Minha Casa, Minha Vida, do governo federal, o prejuízo tenha sido de R$ 2,1 bilhões, considerando-se um superfaturamento de 20% no valor do produto.

O Brasil produziu 68 milhões de toneladas de cimento em 2012, quantidade recorde. Segundo Octaviani, o mercado é concentrado, com 8 empresas responsáveis por 87% da produção nacional – 7 delas investigadas por participação no cartel.

Histórico
A investigação do cartel no setor de cimento começou em 2006 e partiu de denúncia feita por um ex-funcionário da Votorantim Cimentos, que foi coordenador comercial da empresa na região Sul do país entre 2000 e 2003.
Em 2007, a Secretaria de Direito Econômico (SDE), do Ministério da Justiça, conseguiu autorização da Justiça para fazer uma operação de busca e apreensão na sede das empresas. Foram recolhidas mais de 12 mil páginas de documentos (anotações, bilhetes, fax) e 820 mil arquivos eletrônicos que, segundo a secretaria, comprovam a formação do cartel.

Em novembro de 2011, a SDE encaminhou o processo ao Cade com a recomendação para condenação das seis empresas.

Em fevereiro de 2007, o Cade aprovou uma proposta de acordo com a Lafarge, empresa que também era investigada por participação no cartel. Para se ver livre de uma condenação, ela se comprometeu a uma série de obrigações, incluindo pagamento de R$ 43 milhões e implementação de medidas para evitar novas irregularidades.

A Cimpor também chegou a propor acordo mas, neste caso, o Cade considerou que a oferta não era conveniente ou oportuna. O mesmo argumento foi utilizado para rejeitar, mais cedo nesta quarta, proposta de acordo feita pela Intercement (Camargo Corrêa).

O relator também propôs o arquivamento das investigações contra outra empresa do setor de cimento, a Liz. O arquivamento já havia sido recomendado pela SDE que alegou falta de provas da participação dela no cartel.

G1


Voltar




 
















Notícias
Descalvado
Câmara Municipal
Esporte
Notas Policiais
Região
Brasil e Mundo
Geral
Música
Fotos
Canais
Conheça Nossa Cidade
Boca no Trombone
Horóscopo do Dia
Previsão do Tempo
Guia Rodoviário
Política Agora
Blogs e Colunas
Cozinhando com Aline
Marcos Felipe Chiaretto
Mexa-se
Utilidade Pública
Farmácia de Plantão
Balcão de Empregos
Notas de Falecimento
Guia Comercial
Consulte Multas
Interativo
Fale Conosco
Sugestão de Matérias
Anuncie no Descalvado Agora
Empregos
Fale Conosco
Descalvado Agora 2009-2018 - Todos os direitos reservados