Descalvado, 21 de Novembro de 2018 Busca:   
Geral

Pesquisa da USP engarrafa a garapa e durabilidade chega a quase 3 meses

10/03/2014

Técnica criada em Pirassununga estabiliza durabilidade do caldo de cana.
Pesquisadores acreditam que novo processo tem potencial mercadológico.



Aumentar a durabilidade do caldo de cana e vender o produto engarrafado. Este é o foco do trabalho que pesquisadores da USP de Pirassununga desenvolvem há três anos. Segundo eles, a garapa engarrafada tem grande potencial de mercado e já existem empresas interessadas em fabricar o produto.

A pesquisa consiste em estabilizar a durabilidade do liquido, que é muito sensível e tem rápida deterioração. Em temperatura ambiente, isso ocorre em algumas horas. Com a tecnologia desenvolvida na Faculdade de Engenharia de Alimentos, o produto pode durar até quase três meses refrigerado adequadamente.

Para estabelecer o padrão de qualidade para a bebida e prolongar o sabor, os pesquisadores aprimoraram a técnica de produção. Tudo começa com uma rigorosa seleção da cana. Depois, elas são lavadas por 15 minutos, em um tanque com cloro, para limpar todas as impurezas.

A moenda tem que ser feita de aço inoxidável, para evitar a contaminação. Por fim, o caldo extraído passa por uma análise. O equilíbrio entre açúcar e acidez vai determinar a qualidade do caldo, explicou o auxiliar de laboratório Fábio Augusto Gallo.

Pasteurização
A garapa passa ainda por um processo de pasteurização. O líquido é aquecido aos poucos, até atingir 95 graus. O volume é mantido nessa temperatura durante 30 segundos e depois é resfriado a dez graus. O choque térmico ajuda a quebrar as enzimas, que neste caso não são bem-vindas. Elas alteram o sabor do caldo e mudam a coloração.

“O caldo muito escuro não é tão atrativo ao consumidor. Por isso, essa tecnologia de processamento destrói essas enzimas”, explicou o pesquisador Rodrigo Petrus.

Feito isso, a bebida permanece em um tanque enquanto as embalagens são higienizadas com ácido. Após o procedimento, o caldo é envasado e as garrafinhas passam por um selador para receber a proteção de alumínio. Depois, todas vão para a geladeira e são resfriadas a dez graus, o que garante a durabilidade do líquido.

Quando o caldo é extraído em um dia quente, por exemplo, depois de três horas ele perde sabor e começa a ficar escuro. Mas quando é pasteurizado o resultado é outro. Além de durar até dois meses e meio, a bebida continua mais clara e não perde a qualidade, garantiram os pesquisadores.

Em uma unidade de produção, como a utilizada na USP, é possível extrair 1,5 mil litros de garapa por dia. “O propósito da linha de pesquisa que desenvolvemos é demonstrar a eficiência de uma unidade compacta, versátil para micro e pequenas escalas de produção a um custo relativamente baixo”, disse Petrus.

Cuidados
O pesquisador ressalta que no preparo do caldo de cana a moagem é uma etapa muito importante. Segundo ele, é comum encontrar moendas enferrujadas e todo alimento deve ser manipulado em local adequado. A peça da moenda deveria ser de aço inoxidável, o que ajudaria a evitar a contaminação por bactérias, fungos e protozoários, sem contar a doença do mal de chagas.

Outro problema verificado nas moendas tradicionais, lembrou o pesquisador, é que a embalagem para armazenamento não é higienizada. Para Petrus, essa é uma questão de saúde pública e deveria ser proibida a manipulação.

G1



Voltar




 
















Notícias
Descalvado
Câmara Municipal
Esporte
Notas Policiais
Região
Brasil e Mundo
Geral
Música
Fotos
Canais
Conheça Nossa Cidade
Boca no Trombone
Horóscopo do Dia
Previsão do Tempo
Guia Rodoviário
Política Agora
Blogs e Colunas
Cozinhando com Aline
Marcos Felipe Chiaretto
Mexa-se
Utilidade Pública
Farmácia de Plantão
Balcão de Empregos
Notas de Falecimento
Guia Comercial
Consulte Multas
Interativo
Fale Conosco
Sugestão de Matérias
Anuncie no Descalvado Agora
Empregos
Fale Conosco
Descalvado Agora 2009-2018 - Todos os direitos reservados