Descalvado, 21 de Setembro de 2018 Busca:   
Geral

As principais drogas (lícitas e ilícitas) e os graus de dependência

21/08/2014

Com referência à dependência gerada pelas drogas, toda substância entorpecente (seja ela lícita - álcool e cigarro - ou ilícita – maconha, crack, cocaína e êxtase) possui cada qual um grau de dependência; ou seja, diferenciadas capacidades para viciar ou manter no vício o seu usuário, o que equivale dizer que umas têm o poder de viciar mais facilmente do que outras ou de manter na dependência o seu usuário. Para se saber e entender com propriedade os graus de dependência das substâncias entorpecentes, dentro da divisão clássica de drogas em lícitas (álcool e cigarro) e ilícitas (maconha, crack, cocaína, etc.), pode-se afirmar, categoricamente, que as últimas possuem graus muito mais expressivos do que as primeiras.

Iniciando-se pelas drogas lícitas (normalmente álcool e cigarro), estudos revelaram que o grau de dependência do álcool é de 10% (dez por cento) e o do cigarro é de 50% (cinqüenta por cento), isso significa dizer que entre dez pessoas que consomem álcool, uma irá ficar inteiramente dependente, sendo que as outras nove conseguirão utilizá-lo eventualmente. Já no caso do cigarro, fazendo-se a mesma matemática, de cada dez fumantes, cinco ficarão necessariamente dependentes, enquanto a outra metade conseguirá utilizar ocasionalmente. Veja que entre uma droga e outra (álcool e cigarro), existe uma significativa variação do grau de dependência (10% para o álcool e 50% para o cigarro), razão pela qual é muito mais difícil um viciado em cigarro deixar o vício do que um dependente de álcool.

Passando-se, agora, para a análise das principais drogas ilícitas (ilegais): a maconha, a cocaína e o êxtase possuem um grau de dependência de 80% (oitenta por cento), e o crack acarreta um grau de dependência de 90% (noventa por cento); isso significa que de cada 10 (dez) usuários de maconha, êxtase ou cocaína, 08 (oito) ficarão necessariamente dependentes e apenas 02 (dois) usarão esporadicamente; já no caso do crack de 10 (dez) usuários, 09 (nove) ficarão reféns da droga e apenas 01 (um) escapará. Ressalta-se, aqui, que a droga ilícita possui elevados graus de dependência (80 e 90%), o que gera uma dificílima recuperação e saída do vício.

Ainda sobre esse assunto (os graus de dependência), constata-se que quanto maior o grau, mais fácil e mais rápido é a pessoa se viciar e, conseqüentemente, mais difícil de se libertar do vício. Para se comprovar essa assertiva, basta se fazer um paralelo com o cigarro. Esta droga (o cigarro) possui, como dito anteriormente, um grau de dependência mediano (50%), e, mesmo assim, cotidianamente, verifica-se que várias pessoas tentam parar de fumar, se esforçam, e por fim não conseguem; essa dificuldade em largar do vício, vale ressaltar, ocorre com uma droga apenas mediana; agora, imaginem se é fácil alguém se libertar do vício de uma droga com grau de dependência de 80 e 90% (oitenta e noventa por cento)? É dificílimo. É por essa razão, por não conseguirem se desvencilhar do uso de drogas (nem mesmo estando ou passando por caras clínicas de recuperação), é que muitas pessoas retornam ao consumo e, muitas vezes, ao próprio crime para sustentar esse vício.

Nesse raciocínio ainda, referente aos graus de dependência, como dito, quanto maior o grau, mais rápido se chega ao vício, ou mais difícil é deixar o vício. Sobre esse assunto, cumpre analisar as fases da dependência química, sendo que algumas drogas, pela sua potência, levam rapidamente de uma fase a outra, ou, em alguns casos, ocorre até a supressão de fases, indo-se direto da primeira fase (experimentação) à última (dependência).

Veja:

1ª Fase: experimentação – é a primeira vez que a pessoa faz uso da droga.

2ª Fase: uso ocasional – quando a pessoa usa esporádica e eventualmente.

3ª Fase: uso regular – existe um uso constante, mas ainda sem um maior comprometimento físico ou psicológico.

4ª Fase: dependência – existência de comprometimento físico e psicológico da pessoa.

Algumas drogas, pelos seus elevados graus de dependência, propiciam que o usuário vá direto, muitas vezes, da 1ª para a 4ª fase, pulando (suprimindo) as 2ª e 3ª fases. É o caso do crack, por exemplo, que devido ao seu altíssimo grau de dependência, pode levar uma pessoa à dependência (direta) quando de sua primeira utilização, além de deixar extremamente agressivo o seu usuário. Já com referência às outras drogas (principalmente as lícitas – álcool e cigarro), por terem um menor grau, as quatro fases são bem definidas e a dependência se dá de forma gradativa. O aspecto emocional também influencia na agilidade da dependência; vale dizer: via de regra, quanto mais ansiosa (emocionalmente) é uma pessoa, mais fácil é esta se viciar e mais difícil é se libertar do vício.

Por fim, as drogas produzem artificialmente uma substância que também é naturalmente produzida pelo organismo, qual seja a serotonina (substância essa que traz ao homem sensação de bem estar). Todavia, a droga é tão perversa que esta produz uma taxa tão elevada que naturalmente o corpo humano não consegue mais equilibrar; assim, consolida-se a dependência pelo entorpecente, sendo que o viciado, de forma contínua, tem que repor as altas taxas de serotonina, pois sua memória cerebral já gravou aquela condição e seu organismo não consegue mais ficar sem a referida reposição para o complemento dessas altas taxas. Por isso, jamais arrisque: nunca experimente droga, ou deixe seu filho experimentá-la.

O autor do texto é Comandante da Policia Militar de Porto Ferreira.



Voltar




 
















Notícias
Descalvado
Câmara Municipal
Esporte
Notas Policiais
Região
Brasil e Mundo
Geral
Música
Fotos
Canais
Conheça Nossa Cidade
Boca no Trombone
Horóscopo do Dia
Previsão do Tempo
Guia Rodoviário
Política Agora
Blogs e Colunas
Cozinhando com Aline
Marcos Felipe Chiaretto
Mexa-se
Utilidade Pública
Farmácia de Plantão
Balcão de Empregos
Notas de Falecimento
Guia Comercial
Consulte Multas
Interativo
Fale Conosco
Sugestão de Matérias
Anuncie no Descalvado Agora
Empregos
Fale Conosco
Descalvado Agora 2009-2018 - Todos os direitos reservados