Descalvado, 18 de Novembro de 2018 Busca:   
Região

Travestis e transexuais conquistam o direito de usar nome social na UFSCar

18/09/2014

Decisão unânime foi aprovada pelo Conselho Universitário em São Carlos, SP.
Para estudante, não é só o reconhecimento do prenome que garante respeito.



Estudantes, servidores ou qualquer outro transexual ou travesti que tenha vínculo temporário ou estável com a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) poderão ser tratados pelo nome social na instituição. A decisão unânime, aprovada pelo Conselho Universitário (ConsUni) em 29 de agosto e publicada na segunda-feira (15), já está em vigor. A norma dispõe que todos os integrantes da comunidade acadêmica devem tratar a pessoa pelo nome por ela indicado, que constará nas documentações oficiais. Para um estudante da universidade, entrentanto, não é só o reconhecimento do nome social institucional que garante o respeito.

"O preceito faz parte do cotidiano, é comum e banal. Algumas pessoas olham com curiosidade, outras com desdém, basta usar um shortinho curto que as pessoas já querem deslegitimar a sua sexualidade", relatou Rafael Amaral, aluno do curso de ciências sociais. Aos 22 anos, ele constrói uma identidade de gênero que "não é baseada em regras do que é ser homem", como pintar as unhas e incorporar acessórios femininos. "As identidades sempre vão mudar. O que hoje conhecemos como gay, há 100 anos não tinha esse nome", ressaltou.

Amaral integra o Coletivo TRA! de diversidade sexual e de gênero da UFSCar, que também comemorou a regulamentação do uso do nome social entendendo-a como uma política de reconhecimento de diversas pessoas que não se identificam com o padrão heteronormativo.

Para o grupo, que organiza atividades de visibilidade para a população LGBT, como o Dia de Dar Pinta, em 28 de junho (dia internacional de visibilidade LGBT), o nome social é apenas um passo para que as pessoas trans possam ir e vir sem sofrer discriminação: a universidade deve refletir se há e como potencializar as políticas de acesso e permanência para essa população nos diferentes segmentos (estudante, profissional, comunidade).

Medida positiva
O presidente da ONG Visibilidade LGBT e membro do Conselho Municipal da Diversidade Sexual de São Carlos, Alexandre Sanches, classificou a medida adotada pela UFSCar como positiva, uma vez que a instituição lida com pessoas que têm uma identidade gênero diferente da qual nasceram biologicamente. Ele lembrou que no município um decreto aprovado este ano estabelece o tratamento do uso do nome social em todos os serviços públicos da Prefeitura.

“O preconceito institucional é pesado e acaba fazendo com que muitos travestis e transexuais percam o acesso à saúde e à educação, que são direitos de todos. A medida aprovada na UFSCar deveria se estender a outras universidades, com isso teríamos um ambiente mais acolhedor", disse Sanches.

Pesquisador de questões de gênero e sexualidade, o professor Jorge Leite Júnior, do departamento de sociologia da UFSCar, explicou a importância da normatização no combate ao processo de evasão escolar.

"Travestis e transexuais sofrem cotidianamente a violência e a humilhação de não serem reconhecidas em seu gênero eletivo. Quando resolvem não mais passar por esse processo de estigmatização e discriminação e saem da escola, a escola ainda diz que elas é que abandonaram os estudos. Não, elas não abandonaram. Elas foram expulsas, pois todo o ambiente escolar foi hostil à permanência delas".

Norma
A UFSCar informou que o nome social, prenome pelo qual travestis e transexuais se identificam e são identificados em relações sociais, deverá ser usado em registros, documentos e atos da vida funcional e acadêmica, como, por exemplo, no cadastro de dados e informações de uso social, nas comunicações internas de uso social, no endereço de correio eletrônico, em documentos internos de natureza administrativo-acadêmica, tais como diários de classe, formulários e divulgação de resultados de processos seletivos, e em solenidades, como entrega de certificados e colação de grau, entre outros.

A manifestação da opção pelo uso do nome social deverá ser feita junto à Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas, no caso de servidores, Já no caso de estudantes, a solicitação deve ocorrer junto à Pró-Reitoria Acadêmica à qual se encontre vinculado. O requerimento pode ser formalizado no ato da posse no caso de servidores públicos, na ficha de matrícula no caso de estudantes, ou a qualquer momento após o ingresso na UFSCar, em todos os casos.

USP e Unesp
A Universidade de São Paulo (USP) informou que também adota o nome social. Para isso, o interessado deve informar a preferência quando realiza a matrícula. O prenome também é registrado pela secretaria geral nos diplomas.

A Universidade Estadual Paulista (Unesp) informou que orienta as unidades que incluam o prenome na ficha de identificação nos sistemas da universidade. Quanto à carteira estudantil, segundo a orientação prestada pela Coordenação de Políticas para a Diversidade Sexual da Secretaria de Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo, deverá ser adotado o nome social no anverso do documento e nome do registro civil completo no verso. Além disso, os servidores da universidade deverão ser orientados a tratar a pessoa interessada pelo seu prenome social nas rotinas administrativas.


G1



Voltar




 
















Notícias
Descalvado
Câmara Municipal
Esporte
Notas Policiais
Região
Brasil e Mundo
Geral
Música
Fotos
Canais
Conheça Nossa Cidade
Boca no Trombone
Horóscopo do Dia
Previsão do Tempo
Guia Rodoviário
Política Agora
Blogs e Colunas
Cozinhando com Aline
Marcos Felipe Chiaretto
Mexa-se
Utilidade Pública
Farmácia de Plantão
Balcão de Empregos
Notas de Falecimento
Guia Comercial
Consulte Multas
Interativo
Fale Conosco
Sugestão de Matérias
Anuncie no Descalvado Agora
Empregos
Fale Conosco
Descalvado Agora 2009-2018 - Todos os direitos reservados