Descalvado, 21 de Novembro de 2018 Busca:   
Geral

Metade da população pode ter alergia nos próximos anos, avaliam médicos

20/04/2015

Hoje, uma em cada três pessoas ao redor do mundo sofre de algum tipo de alergia. Por que estamos cada vez mais vulneráveis?


Alergia é a doença da vida moderna. Hoje, uma em cada três pessoas ao redor do mundo sofre de algum tipo de alergia. Nos próximos anos, segundo os médicos, metade da população pode se tornar alérgica.

Por que estamos cada vez mais vulneráveis? Para descobrir a resposta, a rede britânica BBC resolveu monitorar o dia a dia de duas famílias.

Morgan, de 4 anos, tem alergia a ovos, kiwi, abacate, banana, leite, castanhas, soja... “E ainda tem borracha, poeira, cachorros, gatos, pólen, cavalos. Olha, é uma lista grande”, diz a mãe dele.

Joe, de 8 anos, tem alergia a cachorros, gatos e ácaros.

As crianças e os adultos aceitaram participar de uma experiência e, para isso, tiveram que coletar os micro-organismos da pele e da poeira nos objetos.

Os germes foram analisados em laboratório. E o resultado ajuda a entender o que pode estar por trás das crises alérgicas dos garotinhos.

“A gente fica pensando: ‘será que a gente está fazendo algo errado? Colocando nossos filhos em risco sem saber?’”, diz o pai de Joe.

Enquanto os pais se questionam, os cientistas também buscam respostas. “Algumas alergias que antes eram raras agora são bem comuns. Então, alguma coisa deve ter mudado no ambiente em que a gente vive, que influenciou a nossa genética e fez com que essas doenças se desenvolvessem”, explica o professor da Universidade Southampton Syed Hasan Arshad.

O que está diferente? Para os pesquisadores, nosso estilo de vida moderno nos afastou dos micróbios bons. A gente não se dá conta, mas são muitos micro-organismos diferentes vivendo ao nosso redor. Eles estão por todos os lados, na terra e no ar.

A rotina nas grandes cidades e a urbanização estão diretamente relacionadas com o aumento no número de pessoas alérgicas, dizem os médicos.

“Há 2 milhões de anos, as pessoas caçavam e coletavam, mexiam na terra e entravam em contato com diferentes tipos de germes que hoje, simplesmente, a gente não encontra mais porque moramos em blocos de concreto, feitos de vidro e aço e cheios de cola”, destaca o professor da Universidade de Londres Graham Rook.

No Brasil, a natureza está longe da rotina de quem vive nas grandes cidades. “Aqui em casa quase todo mundo tem alergia”, conta Ivonete Santana Fernandes.

Mas um susto fez Ivonete descobrir que o problema do Agamenon era mais perigoso. Quando o garoto tinha 2 anos, ele foi picado por uma formiga enquanto estava brincando no quintal de casa.

“Ele estava todo empolado, os lábios estavam virando, a orelha estava bem grossa, grossa mesmo. Eu fiquei apavorada, sem saber o que estava acontecendo’, lembra Ivonete.

Agamenon foi parar no hospital. Ele estava em choque anafilático, a reação mais grave a uma alergia.
“Na reação anafilática, a morte pode ocorrer por dois motivos: o edema da glote, onde fecha a respiração, a pessoa não consegue respirar, ou choque, onde a pressão cai a zero. São problemas que você precisa agir muito rápido. Uma única ferroada de um inseto pode levar à morte da pessoa em minutos”, destaca o professor da faculdade de Medicina da USP, Fábio Castro.

A descoberta de que Agamenon é alérgico a veneno de formiga, assim como 3% dos brasileiros, mudou a rotina da família. “Não é mais aquele bichinho inofensivo, é um monstro na nossa vida porque vejo formiga já me apavoro”, diz Ivonete.

Agora, o Agamenon só pode sair de casa com botas de borracha. “Porque tem um formigueiro ali, e lá na outra árvore também tem, em cima da árvore também tem. Só posso brincar em lugar que tem pedra e cimento”, conta Agamenon, de 8 anos.

O clima brasileiro favorece o contato com bichos que podem provocar esse tipo de reação alérgica, como formigas, vespas e abelhas.

Para o professor Fábio Castro, da faculdade de medicina da Universidade de São Paulo, a alergia é a doença do século XXI. “Em mais algumas décadas, uma ou duas décadas, nós vamos ter 50% da população brasileira e mundial com alguma alergia. Então, é muito importante esse problema”, ele avalia.

Alergia é toda reação exagerada das defesas do nosso corpo contra agentes que, a princípio, não deveriam fazer mal. Como os ácaros, por exemplo, aracnídeos microscópicos que estão presentes na poeira dentro de casa.
“A rinite alérgica certamente é uma das alergias mais comuns. Por volta de 25% a 30% da população brasileira têm rinite alérgica”, afirma Fábio.

A Terezinha Costa começou a apresentar os sintomas depois dos 50 anos. Essa é uma característica da rinite, a doença pode aparecer em qualquer fase da vida. “Tudo começou com uma coceirinha no nariz. Muito espirro, o nariz fica escorrendo continuamente. Muita coceira no olho, no nariz. É muito irritante isso”, conta a aposentada.

Ela tirou as cortinas, os tapetes e as plantas. Mas não adiantou. Foi quando ela descobriu que tinha outro inimigo dentro de casa. “O nome dele é Manolo. Só que ele tem vários apelidinhos carinhosos, por exemplo Tchu Tchu, Canelão, Pretinho, Preto”, conta Terezinha.

O cachorro está com a Terezinha há cinco anos. Ela descobriu que desenvolveu alergia ao pelo do bichinho de estimação. “Eu sei que ele me provoca isso. Mas o que que eu vou fazer, me diga? Vou abrir o portão e por ele para fora? Ele já faz parte aqui da família”, afirma.

Já que se separar do Manolo não é uma opção, a Terezinha toma remédios para diminuir a coceira e os espirros. O tratamento para alguns tipos de alergias avançou muito nos últimos anos. Um dos métodos mais usados é a imunoterapia. Durante um tempo, o paciente recebe vacinas que contêm o agente causador da alergia. O corpo vai se acostumando aos poucos e, assim, as reações alérgicas mais fortes deixam de acontecer.

“Certamente, esse conhecimento de tudo isso vai melhorar muito o diagnóstico. Melhorando o diagnóstico, o tratamento, consequentemente, vai melhorar”, destaca Fábio Castro.

As famílias que participam do documentário da BBC estão prontas para receber os resultados. Só o Morgan não apareceu. Estava se sentindo mal, justamente, por causa das alergias. A equipe da microbiologista Lindsay Hall examinou o DNA dos micro-organismos encontrados na pele das famílias e nos objetos domésticos.

A primeira descoberta: “O Joe e o Morgan têm bem menos variedade de bactérias no corpo do que vocês, pessoal. E tem muitos estudos que mostram que as pessoas mais alérgicas têm menos bactérias do que as pessoas saudáveis”, explica Lindsay Hall.

A exposição a determinados micróbios ajuda o sistema imunológico a ficar mais forte e esperto: ele vai entender o que é uma infecção grave, que exige uma resposta, e o que não oferece risco, como um amendoim, por exemplo.
Essa rede de proteção no nosso corpo começa a se formar já nos primeiros momentos de vida. Pesquisas recentes mostram que as crianças que nascem de cesárea têm mais chance de desenvolver alguma alergia ao longo da vida do que as crianças que nascem de parto normal.

A vagina da mãe tem grupos de bactérias chamadas de lactobacilos. Está comprovado que essas bactérias protegem contra alergias. Então, se o bebê deixa de passar pelo canal vaginal, ele perde o primeiro contato com esses micro-organismos do bem.

Os bebês que se alimentam de leite materno nos primeiros meses também têm menos chance de serem alérgicos. A doutora Lindsay suspeita que dificuldades no parto de Joe tenham influenciado o histórico médico dele. “Ele ficou sem oxigênio porque o cordão umbilical se enrolou no pescoço dele”, lembra a mãe.

Joe foi para a UTI, e bebês que passam as primeiras horas da vida em unidades intensivas são expostos a micróbios menos amigáveis que os da mãe. Para o Morgan, outro problema nos primeiros meses de vida pode ter provocado a falta de bactérias. “O Morgan tinha uns 10 meses quando teve amigdalite e precisou tomar antibióticos”, conta a mãe.
“Os antibióticos são remédios maravilhosos e a gente precisa deles para combater infecções. Mas, às vezes, isso pode ter um impacto grave. Enquanto eles estão tentando livrar nosso corpo de doenças, podem matar também os micro-organismos do bem”, destaca Lindsay.

Não existe um único motivo que determina se a pessoa vai ter alergia. Então, como podemos nos prevenir? Para começar, tendo uma alimentação rica, desde cedo. Os iogurtes contêm probióticos, micro-organismos que ajudam a regular a flora intestinal. E as frutas e as verduras são ricas em prebióticos, que estimulam o crescimento das bactérias benéficas para o intestino.

Ao mesmo tempo, é importante ter cuidado para evitar as bactérias ruins, que podem provocar outras doenças. É preciso lavar bem a louça suja e, se possível, limpar a cozinha com spray antibacteriano. E não se esqueça de lavar bem as mãos depois de usar o banheiro e antes de comer.

A última dica, reforçada por todos os especialistas, é: não passe o dia dentro de casa e de ambientes fechados. A melhor coisa que podemos fazer é estar em contato com o meio ambiente.

G1



Voltar




 
















Notícias
Descalvado
Câmara Municipal
Esporte
Notas Policiais
Região
Brasil e Mundo
Geral
Música
Fotos
Canais
Conheça Nossa Cidade
Boca no Trombone
Horóscopo do Dia
Previsão do Tempo
Guia Rodoviário
Política Agora
Blogs e Colunas
Cozinhando com Aline
Marcos Felipe Chiaretto
Mexa-se
Utilidade Pública
Farmácia de Plantão
Balcão de Empregos
Notas de Falecimento
Guia Comercial
Consulte Multas
Interativo
Fale Conosco
Sugestão de Matérias
Anuncie no Descalvado Agora
Empregos
Fale Conosco
Descalvado Agora 2009-2018 - Todos os direitos reservados