Descalvado, 16 de Novembro de 2018 Busca:   
Região

Polícia Federal cumpre mandado da Lava Jato em empresa de São Carlos

13/08/2015

Policiais foram a uma agência de propaganda que prestou serviço ao Consist.
Ação integra a 18ª fase da operação, com foco em contratos do Planejamento.




A Polícia Federal cumpriu mandado de busca e apreensão em uma agência de propaganda de São Carlos [SP] na manhã desta quinta-feira [13], como parte das ações desencadeadas com o início da 18ª fase da Operação Lava Jato.
Os policiais chegaram ao local por volta das 8h, apresentaram o mandado expedido pelo juiz Sérgio Moro e saíram uma hora depois com documentos referentes ao Grupo Consist, para o qual a Atmo Propaganda prestou serviços há cerca de cinco anos.

Segundo o mandado, o objetivo da ação era "coletar provas relativas à prática de crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e pagamento de propinas pelas empresas do Grupo Consist - Consist Software, Consist Business e SWR Informática - a agentes públicos ou a partidos políticos".

O grupo investigado é suspeito de assinar contratos sem licitação com o Ministério do Planejamento e repassar o dinheiro para operadores da Lava Jato.

18ª fase
A 18ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada nesta quinta-feira [13], investiga o desvio de até R$ 52 milhões em contratos com o Ministério do Planejamento, afirmam o Ministério Público Federal e a Polícia Federal. Empresas do Grupo Consist Software, que assinaram, sem licitação, contratos com a pasta, repassaram o dinheiro para operadores da Lava Jato.

Ao todo, R$ 37 milhões foram arrecadados pelo operador Alexandre Oliveira Correa Romano, ex-vereador de Americana pelo PT, que foi preso nesta quinta. A outra parte, R$ 15 milhões, foi para Milton Pascowitch, que assinou acordo de delação premiada e está em prisão domiciliar.

O Grupo Consist fazia a gestão do software para empréstimos consignados para servidores federais. O grupo ganhava uma taxa mensal, de bancos e financeiras, por cada parcela de amortização mensal dos empréstimos que era descontada das folhas de pagamento.

"É possível que os pagamentos sem causa da Consist a Milton Pascowitch e a Alexandre Romano estejam relacionados ao benefício por ela obtido junto ao Ministério do Planejamento", diz o juiz Sérgio Moro, responsável pela operação na primeira instância, no mandado de prisão para Romano.

Para onde iam as propinas
Milton Pascowitch recebeu o dinheiro por meio da sua empresa, a Jamp Engenheiros, entre os anos de 2011 e 2014, e posteriormente destinou os valores a João Vaccari Neto, que então ocupava o cargo de tesoureiro do PT, segundo as investigações.

"Ele [Pascowitch] represava valores que recebia de empresas que pagavam propina no âmbito da Petrobras [...]. E usava esse represamento para abrir as portas para o senhor João Vaccari periodicamente. [...] O que se verifica aqui é que esse volume de propinas está longe de atingir o volume morte", afirmou o procurador Roberson Pozzobon, em entrevista em Curitiba

Os recursos obtidos por Alexandre Romano iam para empresas ligadas a ele ou que eram indicadas por ele, como empresas de fachada, consultorias e escritórios de advocacia. É a primeira vez que advogados são investigados na operação.

"O esquema de corrupção é grande, sistemático e deve ser combatido de forma veemente", afirmou o procurador. Segundo ele, operadores mostraram "audácia" ao continuar desviando dinheiro mesmo com as investigações em andamento, o que justifica as prisões cautelares. Foram feitos repasses até o mês passado.

O procurador afirmou que foram descobertos pagamentos mensais de R$ 30 mil para a viúva de um então secretário de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento.

Mandados
A 18ª fase é um desdobramento da fase anterior e foi batizada de "Pixuleco II". Já havia suspeitas de desvios milionários efetuados por empresas do Grupo Consist Software.

Cerca de 70 policiais federais cumprem desde a madrugada 10 mandados judiciais de busca e apreensão e um de prisão. A ação ocorre em Brasília, Porto Alegre, São Paulo e Curitiba.

Alexandre Romano foi detido no aeroporto de Congonhas, em São Paulo, quando saia para uma viagem. Ele será levado de carro para a Superintendência da PF, em Curitiba.

O MPF havia pedido a prisão preventiva [sem prazo para terminar] dele, mas Sérgio Moro negou e concedeu a temporária [com duração de 5 dias]. Segundo o juiz, é preciso aguardar os resultados da busca e apreensão e o depoimento do suspeito.


G1



Voltar




 
















Notícias
Descalvado
Câmara Municipal
Esporte
Notas Policiais
Região
Brasil e Mundo
Geral
Música
Fotos
Canais
Conheça Nossa Cidade
Boca no Trombone
Horóscopo do Dia
Previsão do Tempo
Guia Rodoviário
Política Agora
Blogs e Colunas
Cozinhando com Aline
Marcos Felipe Chiaretto
Mexa-se
Utilidade Pública
Farmácia de Plantão
Balcão de Empregos
Notas de Falecimento
Guia Comercial
Consulte Multas
Interativo
Fale Conosco
Sugestão de Matérias
Anuncie no Descalvado Agora
Empregos
Fale Conosco
Descalvado Agora 2009-2018 - Todos os direitos reservados