Descalvado, 19 de Setembro de 2018 Busca:   
Região

Prefeitura de Analândia põe terrenos à venda para pagar os funcionários

27/11/2015

Objetivo do município é arrecadar pelo menos R$ 300 mil com a medida.
Áreas ficam em loteamento de chácaras e têm até 1,2 mil metros quadrados.




A Prefeitura de Analândia vai vender terrenos para arrecadar verbas para o pagamento de funcionários. Segundo a administração, a dívida do município chega a R$ 1,9 milhão e, apesar da campanha de refinanciamento, 30% dos contribuintes estão inadimplentes, o que prejudica o caixa da cidade.

O objetivo da Prefeitura é arrecadar pelo menos R$ 300 mil para o pagamento do INSS e do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço [FGTS] dos servidores, mas a medida não agrada todos os moradores.

As áreas à venda ficam em um loteamento de chácaras. São 13 lotes de 800 a 1,2 mil metros quadrados entregues por moradores que deviam o Imposto Predial e Territorial Urbano [IPTU] e todos serão oferecidas em concorrência pública.

“No leilão, são dados lances na hora e, na concorrência pública, não. O lance já vai em um envelope lacrado e o maior lance que tiver no dia, na abertura, é o que vai ganhar”, explicou Adriana Batista Alves, presidente da comissão de licitação.

“Não dá para vender terreno para pagar o funcionário. Eu acho que não era para vender, era para formar casas para a população que precisa”, opinou o encarregado de fazenda Jorge Pereira da Silva.

Inadimplência
Com 30% dos contribuintes em débito, o município propôs em setembro o refinanciamento das dívidas, mas a medida não teve o retorno esperado e a administração optou pela venda dos lotes para arcar com os compromissos com os funcionários.

“A gente abriu o Prefis, que é um incentivo para as pessoas virem pagar até dezembro, só que até hoje só pagaram R$ 53 mil”, contou o tesoureiro da Prefeitura, Wagner Garcia Pintor.

Ele disse ainda que a receita do município também caiu desde 2014, o que agravou a situação. “Houve uma aprovação, pela Câmara, que fossem tiradas as taxas de limpeza e conservação, e isso gerou uma perda de receita em torno de R$ 500 mil por ano, R$ 1 milhão que a gente poderia ter em caixa hoje e a gente não tem”, afirmou.


G1



Voltar




 
















Notícias
Descalvado
Câmara Municipal
Esporte
Notas Policiais
Região
Brasil e Mundo
Geral
Música
Fotos
Canais
Conheça Nossa Cidade
Boca no Trombone
Horóscopo do Dia
Previsão do Tempo
Guia Rodoviário
Política Agora
Blogs e Colunas
Cozinhando com Aline
Marcos Felipe Chiaretto
Mexa-se
Utilidade Pública
Farmácia de Plantão
Balcão de Empregos
Notas de Falecimento
Guia Comercial
Consulte Multas
Interativo
Fale Conosco
Sugestão de Matérias
Anuncie no Descalvado Agora
Empregos
Fale Conosco
Descalvado Agora 2009-2018 - Todos os direitos reservados