Descalvado, 19 de Novembro de 2018 Busca:   
Região

MPF pede à Justiça nova multa para usina por poluição do Rio Mogi Guaçu

17/12/2015

Vazamento em outubro de 2013 provocou a morte de milhares de peixes.
Procuradoria em São Carlos afirma que empresa não cumpriu exigências.





O Ministério Público Federal em São Carlos pediu à Justiça que seja feito um novo cálculo da multa aplicada à Usina Santa Rita pelo derramamento de toneladas de resíduos industriais no leito do Rio Mogi Guaçu, em Descalvado, em outubro de 2013. O vazamento causou a morte de milhares de peixes, prejudicou comunidades ribeirinhas e afetou cidades vizinhas. Procurada, a empresa ainda não se manifestou sobre o pedido.

De acordo com o MPF, a empresa não seguiu as medidas de recuperação ambiental determinadas em março pelo Tribunal Regional Federal, que estipulou uma multa diária de R$ 10 mil em caso de descumprimento.

Por não atender a decisão, o MPF informou que a usina teve a renovação de licença de operação indeferida pela Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. Segundo a Cetesb, a empresa não apresentou um projeto para a recuperação dos trechos de área de preservação permanente afetados e não celebrou o Termo de Compromisso de Recuperação Ambiental.

O MPF também divulgou que, em vistoria realizada em agosto, analistas do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Ibama confirmaram que a usina não tomou qualquer atitude para cumprir as decisões judiciais.

Relembre o caso
Milhares de peixes morreram na noite de 4 de outubro de 2013, após o rompimento de uma represa de resíduos da usina. O acidente causou o vazamento de poluentes no Rio Mogi Guaçu, que ficou com a água completamente preta em alguns trechos, e afetou cidades vizinhas como Rincão.

Na época, a usina informou que não houve derramamento de vinhaça e disse que a represa não suportou as fortes chuvas. Segundo a empresa, o local continha apenas água de chuva e de nascentes, sem nenhum produto químico, mas o Centro de Pesquisa e Treinamento Aquicultura [Cepta] de Pirassununga apontou a presença de poluente e constatou que o produto percorreu 110 km, matando espécies raras.

O rompimento rendeu à usina uma multa de R$ 193,7 mil e várias imposições técnicas, mas as exigências não foram cumpridas e o MPF ajuizou uma ação civil pública pedindo a elaboração de um projeto de recuperação ambiental da área degradada e a adoção de medidas preventivas.

O MPF alegou que, após inspeção, a Cetesb apontou que a usina foi negligente por não realizar a manutenção periódica e a remoção de sedimentos dos tanques, provocando a sobrecarga e o consequente rompimento, e, em março, o TRF atendeu a solicitação, determinando que a usina apresentasse um programa de recuperação em até 15 dias.



Voltar




 
















Notícias
Descalvado
Câmara Municipal
Esporte
Notas Policiais
Região
Brasil e Mundo
Geral
Música
Fotos
Canais
Conheça Nossa Cidade
Boca no Trombone
Horóscopo do Dia
Previsão do Tempo
Guia Rodoviário
Política Agora
Blogs e Colunas
Cozinhando com Aline
Marcos Felipe Chiaretto
Mexa-se
Utilidade Pública
Farmácia de Plantão
Balcão de Empregos
Notas de Falecimento
Guia Comercial
Consulte Multas
Interativo
Fale Conosco
Sugestão de Matérias
Anuncie no Descalvado Agora
Empregos
Fale Conosco
Descalvado Agora 2009-2018 - Todos os direitos reservados