Descalvado, 15 de Novembro de 2018 Busca:   
Descalvado

Funcionalismo Público - Maioria na Câmara mantém veto integral do prefeito para projeto de aumento de 12%

11/11/2016

Projeto de Lei de autoria do vereador Vick aprovado em setembro, já vinha com a ressalva de inconstitucionalidade. Prefeito vetou de forma integral o aumento previsto de 12% escalonado



Com Sessão Ordinária adiantada para a manhã desta sexta-feira, 11, a Câmara Municipal incluiu na pauta a votação do veto integral do prefeito municipal Henrique do Nascimento dado ao Projeto de Lei nº 16/16, de autoria do vereador Luiz Carlos Vick Francisco PPS, aprovado em setembro, sobre a recomposição e perda salarial de 12% aos servidores públicos municipais. Iniciada às 9h, a sessão foi curta e a maioria dos vereadores votaram favoráveis ao veto.

Esteve ausente o vereador dr. Rubens de Algarte PSDB, que já não votaria por ser funcionário público, e votaram contra o veto os vereadores Vick, autor da Lei, e Anderson Sposito PRTB. Os demais mantiveram o veto integral do prefeito. Portanto está vetado mais qualquer aumento ao funcionalismo municipal até o próximo ano. O último reajuste aprovado foi de 3,58%, na segunda quinzena de junho.

O vereador Guto Cavalcante votou favorável ao veto, mas solicitou que a mesa lesse o primeiro parecer das comissões, quando o Projeto de Lei foi colocado em pauta e aprovado em 26 de setembro, onde a Procuradoria da Câmara Municipal apontava que o Projeto era inconstitucional e mesmo assim os vereadores aprovaram.

Qualquer negociação e tentativa de conceder aumento e recomposição salarial, além do que já foi concedido vai ficar para o próximo prefeito eleito, Becão Reschini, que deverá assumir oficialmente o cargo a partir de 1º de janeiro de 2017.

Inconstitucionalidade
Em síntese o Projeto de Lei vetado previa a recomposição das perdas salariais dos servidores municipais, celetistas e estatutários, ativos e inativos, incluindo os conselheiros tutelares e estagiários, relativas aos anos de 2014 e 2015, determinando que 1,5% fossem dados até o dia 31 de dezembro deste ano, mais 5% no período de janeiro a dezembro do próximo ano e, mais 5,5% durante o exercício de 2018, o que não substituiria a recomposição salarial a ser concedida nos anos de 2017 e 2018 com base na perda inflacionária apurada nos anos de 2016 e 2017.

O Projeto apresentava uma mácula inconstitucional em razão da evidência de vício de iniciativa: o Poder Legislativo não pode conceder reajuste salarial, cuja iniciativa é exclusiva do Poder Executivo, além da vedação legal à criação de despesas por parte do Poder Legislativo, que crie impacto no orçamento.





Voltar




 
















Notícias
Descalvado
Câmara Municipal
Esporte
Notas Policiais
Região
Brasil e Mundo
Geral
Música
Fotos
Canais
Conheça Nossa Cidade
Boca no Trombone
Horóscopo do Dia
Previsão do Tempo
Guia Rodoviário
Política Agora
Blogs e Colunas
Cozinhando com Aline
Marcos Felipe Chiaretto
Mexa-se
Utilidade Pública
Farmácia de Plantão
Balcão de Empregos
Notas de Falecimento
Guia Comercial
Consulte Multas
Interativo
Fale Conosco
Sugestão de Matérias
Anuncie no Descalvado Agora
Empregos
Fale Conosco
Descalvado Agora 2009-2018 - Todos os direitos reservados