Descalvado, 20 de Novembro de 2018 Busca:   
Geral

Consumo de álcool aumenta risco de câncer, diz pesquisa

02/09/2011

Aliado ao fumo, chances de desenvolver tumores na garganta e na boca são ainda maiores

O consumo de álcool pode aumentar as chances de câncer, principalmente na região da boca e da garganta, de acordo com um estudo do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp). Aliado ao fumo, o perigo de desenvolver a doença é ainda maior.

A pesquisa do Icesp mostra que dos 2,8 mil pacientes que assumiram abusar ou ter abusado do álcool, 36% deles desenvolveram tumores na região da boca e garganta.

O vício da bebida está mais presente entre os homens. Segundo o levantamento, 18% deles relataram consumo abusivo de álcool. Entre as mulheres esse número cai para 11%. Segundo o Instituto Nacional de Combate ao Câncer, o consumo exagerado de bebida está relacionado a até 4% das mortes decorrentes do câncer.

Fumo e bebida

A coordenadora de medicina bucal da Unesp Araraquara, Mirian Onofre, explica que para quem fuma, o risco é ainda maior. “O álcool potencializa a ação do tabaco. Quando o individuo fuma esse tabaco promove uma alteração na informação genética da célula e o álcool promove a proliferação da célula alterada”, disse.

Quem bebe percebe que a língua fica ressecada, com pouca saliva. Sem essa proteção, boca e garganta ficam mais expostas a substâncias que podem causar câncer.

Para diminuir os riscos, especialistas recomendam que a dose máxima seja de 60 ml de bebida destilada ou duas latinhas de cerveja ou 120 ml de vinho por dia. No caso das mulheres, metade e não adianta tomar toda a cota em um fim de semana.

A moderação é a melhor receita. A Associação Brasileira de Assistência às Pessoas com Câncer (Abrapec) também já constatou a relação entre a bebida e alguns tipos da doença. “São os cânceres na região de cabeça e pescoço, esôfago, estômago, sendo que 85% estão relacionados ao consumo exagerado de álcool em algum momento da vida deles”, explicou a assistente social da Abrapec Taciana Lopes.

Uma das dificuldades é fazer o paciente aceitar essa relação. “Existe uma dificuldade dessas pessoas largarem o vício mesmo durante o tratamento”, disse Taciana.

O pedreiro Carlos Donizete da Silva bebeu por mais de 20 anos e fumou até os 48, quando foi surpreendido pelo diagnóstico de câncer de esôfago e pela explicação do médico. “Ele falou que o que causou foi a bebida e o cigarro”, explicou.

Três colegas de bar já morreram de câncer e agora ele se cuida para não ser mais uma vítima. “Vida saudável agora, sem cigarro, bebida, nem nada”.










Voltar


 
















Notícias
Descalvado
Câmara Municipal
Esporte
Notas Policiais
Região
Brasil e Mundo
Geral
Música
Fotos
Canais
Conheça Nossa Cidade
Boca no Trombone
Horóscopo do Dia
Previsão do Tempo
Guia Rodoviário
Política Agora
Blogs e Colunas
Cozinhando com Aline
Marcos Felipe Chiaretto
Mexa-se
Utilidade Pública
Farmácia de Plantão
Balcão de Empregos
Notas de Falecimento
Guia Comercial
Consulte Multas
Interativo
Fale Conosco
Sugestão de Matérias
Anuncie no Descalvado Agora
Empregos
Fale Conosco
Descalvado Agora 2009-2018 - Todos os direitos reservados