Descalvado, 20 de Novembro de 2018 Busca:   
Região

Cheques sem fundos de usina causam prejuízo de R$ 250 mil no comércio

02/02/2012

Trabalhadores receberam acertos no fim do ano passado. Vinte comerciantes ainda aguardam pagamento.

Uma usina de açúcar e álcool de Guaranésia, no Sul de Minas Gerais, fez o pagamento dos funcionários com cheques sem fundos e causou um prejuízo de R$ 250 mil a comerciantes de Santa Cruz das Palmeiras.

Os cheques são de acertos e salários que trabalhadores rurais receberam no fim de ano passado da usina Três Barras. Alguns pagaram contas e outros trocaram para poder voltar para casa, no norte e nordeste do pais. O problema é que todos estavam sem fundos e 20 comerciantes que receberam ficaram no prejuízo.

O comerciante Expedito Alves Ferreira tem duas lojas em Santa Cruz das Palmeiras e recebeu 28 cheques, que variam de 1,6 mil a 3,1 mil. “Geralmente ele é cliente durante o ano, na safra. E todo ano a gente troca esses cheques e dessa vez deu errado”, disse Ferreira.

Todos os comerciantes já tentaram negociar com a empresa. A maioria pegou os cheques devolvidos e foi até a usina trocar por outros. Só que ainda não foram autorizados a fazer o depósito. “Eles pedem para a gente ligar antes para ver se tem dinheiro na conta para poder depositar. A gente liga lá e eles falam que não tem e não sabem o dia que vai ter”, disse o comerciante Élder Galdino Lima.

O trabalhador rural Cícero Eriston de Sousa disse que trabalhou sete meses na usina. No fim do ano, ele pegou o cheque e foi embora para casa, no interior do Ceará. Nesta semana, ele teve que voltar para tentar receber. “Ninguém recebeu”, disse.

Nesta quarta-feira (1º), um grupo de trabalhadores se reuniu na sede da usina para cobrar mais uma vez. Eles viajaram mais de 100 km e levaram cartazes para protestar contra a falta de pagamento. “Nós queremos receber nossos direitos. Viemos aqui várias vezes e até hoje não pagaram ainda”, disse o comerciante Aguinaldo de Souza Oliveira.

Após uma hora e meia de espera, eles foram atendidos. De acordo com o diretor financeiro da usina, Antônio Vasconcelos, a empresa pediu um prazo de 10 dias aos comerciantes e funcionários. Depois disso, os cheques poderão ser reapresentados.









Voltar


 
















Notícias
Descalvado
Câmara Municipal
Esporte
Notas Policiais
Região
Brasil e Mundo
Geral
Música
Fotos
Canais
Conheça Nossa Cidade
Boca no Trombone
Horóscopo do Dia
Previsão do Tempo
Guia Rodoviário
Política Agora
Blogs e Colunas
Cozinhando com Aline
Marcos Felipe Chiaretto
Mexa-se
Utilidade Pública
Farmácia de Plantão
Balcão de Empregos
Notas de Falecimento
Guia Comercial
Consulte Multas
Interativo
Fale Conosco
Sugestão de Matérias
Anuncie no Descalvado Agora
Empregos
Fale Conosco
Descalvado Agora 2009-2018 - Todos os direitos reservados