Descalvado, 14 de Novembro de 2018 Busca:   
Geral

Região discute a importância da preservação do Aquífero Guarani

20/06/2012

Reservatório gigante de água doce é utilizado em diversas lavouras.
Tendência é ocorrer um rebaixamento do nível, diz professor da USP.


Responsável por parte dos recursos hídricos usados nas lavouras da região, o Aquífero Guarani é uma das reservas de água cuja preservação está sendo discutida na Rio+20, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável que acontece até o dia 22 de junho no Rio de Janeiro. Especialistas e órgãos da região já buscam alternativas para proteger o reservatório gigante de água doce.

No Brasil, quase 7% dos recursos hídricos são usados nas lavouras e parte vem do Aquífero Guarani. A nossa região é privilegiada, já que é onde o aquífero está mais perto da superfície.

A fazenda Campo Fino, que fica em Casa Branca, a plantação de batata cresce bonita porque há a combinação certa.

Para não depender dos ciclos naturais da chuva, o produtor Vanderlei Valverde investiu na irrigação e colhe cerca de 45 toneladas por hectare. ‘Se não tivesse a irrigação a gente nem plantaria”, disse.

Dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) confirmam a importância da irrigação para a oferta de alimentos. Na cebola, a produtividade dobra e no milho o crescimento é de três vezes.

Além de açudes, rios e córregos, outra forma de usar a água nas propriedades rurais é o Aquífero Guarani. Uma reserva de água doce, que e estende pelo subsolo de oito estados: Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, além de outros três países: Argentina, Paraguai e Uruguai.

O aquífero é uma rocha extremamente porosa e permeável. “Cada vez que chove na área, existe a absorção de água, que infiltra e fica armazenada nesse pacote arenoso”, disse o geólogo José Luiz Galvão de Mendonça.

A chuva mantém essa reserva subterrânea e a recarga é muito lenta. A água da chuva penetra o solo a uma velocidade de um metro e meio a dois metros por ano.

A construção de um poço para retirar água do guarani tem normas. Um agricultor, por exemplo, precisaria contratar um geólogo para fazer a análise do solo e subsolo. O Departamento de Água e Energia Elétrica ligado a Secretaria Estadual de Recursos Hídricos faz a aprovação. Depois de pronto o projeto, são necessários 30 dias para a liberação e o início da obra.

Em São Carlos, por exemplo, um poço começou a ser construído há 30 dias e vai demorar mais um mês para ficar pronto. A técnica usada é a mesma para a extração de petróleo e é preciso muito cuidado para evitar a contaminação da água. “A construção é padronizada para que evite qualquer tipo de infiltração de contaminantes orgânicos ou não orgânicos”, disse o geólogo Renivaldo José de Guzzi.

Preservação
O professor do Departamento de Hidráulica e Saneamento da USP de São Carlos, Edson Wendland, que estuda sobre a área de recarga do aquífero há 10 anos, faz um alerta. “O problema é que talvez a taxa de exploração seja maior que a de recarga. A medida que a gente perfura mais poços, a tendência é ocorrer um rebaixamento do nível do aquífero”, explicou.

O assunto já é tratado pelo comitês de bacias hidrográficas, que são órgãos onde a sociedade atua de forma igualitária. Reúnem representantes do estado, município, entidades civis e grandes consumidores. A ideia é cobrar pelo uso do aquífero. “Essa cobrança vai ser com base em volume captado, sendo que o usuário que for poluidor será o mais penalizado”, explicou o engenheiro e secretária executivo do comitê da bacia hidrográfica do Tietê e Jacaré, Heitor Peleas.

Em uma fazenda em Descalvado, a produção ganhou força depois de um bem elaborado projeto para captar água do aquífero. O sistema despeja entre 100 e 180 litros de água por metro quadrado por ano. “Para a gente usar bem a terra, com altas produtividades e evitando desmatamento, nós temos que ter água e o uso tem que ser racional. Usar tecnologias de precisão para usar a quantidade certa no momento certo, para preservar esse recurso que é finito para a humanidade”, destacou o agricultor Roberto Jank.

Fonte: G1 São Carlos









Voltar


 
















Notícias
Descalvado
Câmara Municipal
Esporte
Notas Policiais
Região
Brasil e Mundo
Geral
Música
Fotos
Canais
Conheça Nossa Cidade
Boca no Trombone
Horóscopo do Dia
Previsão do Tempo
Guia Rodoviário
Política Agora
Blogs e Colunas
Cozinhando com Aline
Marcos Felipe Chiaretto
Mexa-se
Utilidade Pública
Farmácia de Plantão
Balcão de Empregos
Notas de Falecimento
Guia Comercial
Consulte Multas
Interativo
Fale Conosco
Sugestão de Matérias
Anuncie no Descalvado Agora
Empregos
Fale Conosco
Descalvado Agora 2009-2018 - Todos os direitos reservados