Descalvado, 10 de Dezembro de 2018 Busca:   
Brasil e Mundo

Venda do álcool líquido será proibida em 1º de fevereiro

25/01/2013

Medida visa reduzir número de casos de queimaduras e ingestão acidental.
Abraspea diz que decisão está embargada e há possibilidade de recursos.


A partir do dia 1º de fevereiro o consumidor pode não encontrar mais o álcool líquido nas prateleiras dos supermercados. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) conseguiu na Justiça a retirada de circulação do produto e apenas o álcool em gel poderá ser comercializado. No entanto, a Associação Brasileira dos Produtores e Envasadores de Álcool (Abraspea) discorda e afirma que o prazo não é válido, porque a decisão ainda estaria sob embargo, aguardando análise de recursos.

O veto à venda começou em 2002 após uma resolução da Anvisa, que foi suspensa por decisão judicial a favor do setor industrial. Em agosto do ano passado, o Tribunal Regional Federal (TRF) derrubou a decisão e, segundo a Anvisa, não haveria mais possibilidade de recurso.

Com a queda da liminar, o prazo para as indústrias se adequarem às novas exigências é dia 31 de janeiro. Apesar disso, em nota, a Abraspea informou que ainda há pendência de julgamento, já que o desembargador Moreira Alves pediu vista dos autos. Além disso, ainda seria possível recorrer ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e o Supremo Tribunal Federal (STF).

A Abraspea diz ainda que, independente da resolução, o álcool em sua forma líquida com graduação 46°INPM/ 54°GL pode ser produzido, comercializado e consumido sem nenhuma restrição. A resolução afetaria apenas o produto que excede esta graduação.

O G1 não conseguiu contato com o TRF da 5ª região para comentar o assunto.

Proibição
A medida que proíbe a fabricação e a comercialização do álcool líquido no país tem o objetivo de reduzir o número de casos de queimaduras e ingestão acidental, especialmente em crianças.

Segundo a Anvisa, em fevereiro, todo estoque irregular no mercado deve ser recolhido. Caso o consumidor encontre álcool líquido disponível para venda, a Vigilância Sanitária Municipal deve ser comunicada e o produto será apreendido. As empresas que não se adequarem à norma serão notificadas por irregularidade e, por consequência, sofrerão o cancelamento dos registros.

Motivos
O álcool líquido aumenta os riscos de acidente com queimaduras graves. A apresentação em gel evita que, em caso de derramamento, o álcool tenha contato com grandes áreas do corpo, como ocorre na forma líquida. Além disso, o gel rende três vezes mais que o líquido.

Caso
A empregada doméstica Simone Alexandra Carla passou a utilizar o álcool gel como higiene pessoal na época em que as epidemias de gripe preocupavam a todos. Ela adota o produto também para a limpeza da casa.

Simone recomenda que se utilize somente o produto em gel, principalmente pelo histórico familiar que possui. Sua irmã sofreu queimaduras em 70% do corpo quando utilizava o álcool liquido. Ela afirma que se fosse na forma gel isso não aconteceria.

"Até os médicos disseram que só ocorreu desta forma porque era líquido e se fosse gel não teria acontecido o que aconteceu", diz a empregada doméstica.

"Eu tenho criança em casa e não posso dar bobeira com o álcool liquido aqui dentro, então por isso, eu só uso e recomendo que se utilize o produto em gel", orienta Simone.

G1









Voltar


 
















Notícias
Descalvado
Câmara Municipal
Esporte
Notas Policiais
Região
Brasil e Mundo
Geral
Música
Fotos
Canais
Conheça Nossa Cidade
Boca no Trombone
Horóscopo do Dia
Previsão do Tempo
Guia Rodoviário
Política Agora
Blogs e Colunas
Cozinhando com Aline
Marcos Felipe Chiaretto
Mexa-se
Utilidade Pública
Farmácia de Plantão
Balcão de Empregos
Notas de Falecimento
Guia Comercial
Consulte Multas
Interativo
Fale Conosco
Sugestão de Matérias
Anuncie no Descalvado Agora
Empregos
Fale Conosco
Descalvado Agora 2009-2018 - Todos os direitos reservados