Descalvado, 12 de Dezembro de 2018 Busca:   
Brasil e Mundo

Inflação torna brasileiro mais consciente na hora de consumir

13/06/2013

A alta da inflação levou os brasileiros a adotar práticas mais conscientes na hora de se alimentar, de fazer a lista de compras e de reaproveitar restos de comida. É o que aponta a pesquisa nacional Consumo Consciente, elaborada pela Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ) em parceria com o Instituto Ipsos.

“Do ano passado para cá, mais brasileiros adotaram medidas que são condizentes com ecologia, com a preservação dos recursos naturais. Isso significa que essas medidas foram adotadas em função de alguma circunstância, qual seja, a inflação mais alta”, disse hoje (13) o economista da Fecomércio-RJ Christian Travassos.

De acordo com a pesquisa, feita com mil pessoas de 70 cidades brasileiras, o percentual de pessoas preocupadas com a preservação do meio ambiente no dia a dia subiu de 56%, no ano passado, para 60% este ano.

Analisando a adoção de medidas menos agressivas ao meio ambiente, verifica-se que elas têm relação com os hábitos diários das famílias. Segundo o economista, houve avanços significativos de um ano para outro, por exemplo, na uso de sobra de refeições para fazer novos pratos (de 66% para 72%), em verificar se a embalagem do produto está danificada, antes de comprar (de 65% para 70%), e na leitura do rótulo de um produto antes de adquiri-lo (de 51% para 56%).

“A gente associou a maior frequência desses hábitos a um custo mais alto de vida. Abastecer a despensa está mais caro no Brasil”, avaliou. Travassos acrescentou que devido ao aumento dos preços de alimentos e bebidas, o brasileiro tornou-se mais criterioso ao fazer suas compras. Daí a importância que passaram a ter atitudes como verificar validade de produtos e fazer listas de compras. “Esses itens ganham espaço na rotina do brasileiro”.

Em relação ao aspecto social dos entrevistados, a pesquisa identificou que a classe DE foi a que apresentou mais avanços de 2012 para 2013 em termos de consumo consciente. “Até porque tem mais margem para avançar e porque é a que sofreu mais com a alta de alimentos e bebidas no último ano”, ressaltou o economista. Nesse grupo, o índice de brasileiros que mostraram maior preocupação com o meio ambiente subiu de 37% para 51%.

“Se antes ela (classe DE) estava mais propensa ao desperdício, a não atentar tanto para essas práticas no consumo do dia a dia, com a inflação mais cara ficou mais difícil desperdiçar alimento. Você pensa duas vezes antes de jogar fora uma salada. O tomate está muito caro, a cebola também. Vamos aproveitar, vamos fazer um novo prato, vamos checar o armário antes de ir para o supermercado”, salientou Travassos. A classe AB também avançou em relação ao consumo consciente, passando de 69% para 71%.

Feita pela Fecomércio-RJ desde 2007, a pesquisa incluiu pela primeira vez a questão do lixo. Os dados apontam que existe descrença do brasileiro em geral em relação ao que ocorre com o lixo coletado. Ou seja, 56% dos entrevistados duvidam que seja feita a separação, após a coleta, do que é lixo orgânico e lixo reciclável. Enquanto em 2012, 49% dos brasileiros incluíam a prática da separação do lixo para reciclagem, este ano o percentual caiu para 44%.

Outras práticas negativas ao meio ambiente, como varrer a calçada com jatos de água ou lavar carro com mangueira, mostraram redução de 27% para 24% e de 21% para 19%, respectivamente.

Christian Travassos observou, ainda, que a adoção de sacolas retornáveis ou de pano, em substituição a sacolas plásticas, ganham a cada ano mais adeptos entre os brasileiros, embora a um ritmo lento. “A gente tem um cenário de melhoria. Paulatinamente, o brasileiro está usando mais ecobags ou sacolas ecológicas. Ainda não é maioria”.

O percentual de brasileiros que dizem usar sempre sacolas de pano no lugar das de plástico subiu de 17% para 18%. No caso dos que usam de vez em quando, aumentou de 21% para 25%. “E o [percentual] que a gente queria que caísse, que era o nunca [uso ecobag], caiu de 60% para 56%”. Travassos acredita que muitos brasileiros utilizam ainda sacolas plásticas de supermercado para acondicionar o lixo domiciliar, fazendo dessa forma uma economia, ao evitar comprar sacos próprios para lixo.

Agência Brasil


Voltar




 
















Notícias
Descalvado
Câmara Municipal
Esporte
Notas Policiais
Região
Brasil e Mundo
Geral
Música
Fotos
Canais
Conheça Nossa Cidade
Boca no Trombone
Horóscopo do Dia
Previsão do Tempo
Guia Rodoviário
Política Agora
Blogs e Colunas
Cozinhando com Aline
Marcos Felipe Chiaretto
Mexa-se
Utilidade Pública
Farmácia de Plantão
Balcão de Empregos
Notas de Falecimento
Guia Comercial
Consulte Multas
Interativo
Fale Conosco
Sugestão de Matérias
Anuncie no Descalvado Agora
Empregos
Fale Conosco
Descalvado Agora 2009-2018 - Todos os direitos reservados